Compartilhar

O jogo começa antes mesmo da bola laranja entrar em jogo. Nem mesmo , o professor canadense responsável pela criação do basquete, imaginou lá pelas épocas de 1891 que seria o pai um jogo capaz de influenciar multidões até mesmo fora das quadras.

A proporção global que o basquete ganhou nas últimas décadas é de fato assustadora. E quando o assunto é a NBA, campeonato que reúne o que há de melhor na modalidade, a conversa é ainda mais numerosa.

Entre apaixonados ou não, a NBA, abreviação de National Basketball Association, se tornou mundialmente conhecida, seja por lances bonitos, ações solidárias, suas grandes franquias ou pelos astros que nela atuam. Entretanto, o fato relativamente novo está nos arredores desse grande palco.

A visão das marcas em conjunto com o fenômeno avassalador das redes sociais fez da liga um verdadeiro desfile de moda. Seguindo a rotina que antecede cada partida, os jogadores – grandes personagens do show – chegam aos ginásios usando as mais variadas roupas possíveis para a ocasião.

View this post on Instagram

A MF MOOD.

A post shared by LeagueFits (@leaguefits) on

Atletas como Westbrook, Lebron James e James Harden não economizam nos looks que serão o centro das atenções nas “passarelas” e em minutos estarão nos feeds e vitrines – sejam virtuais ou físicas – ao redor do planeta.

A tendência é tão grande que em uma simples pesquisa no Instagram é possível identificar perfis dedicados ao compartilhamento desse tipo de conteúdo. Bastam segundos para que os produtos  entrem na lista de desejos dos fãs.

https://www.instagram.com/p/Bwz29sTAC_w/?utm_source=ig_share_sheet&igshid=1nb0ujhuqzqgy

Ao que parece, essa é uma estratégia das marcas que, muito além do jogo em sí, viram nesse nicho uma ótima oportunidade de divulgação de seus produtos. O resultado são as peças caríssimas e exclusivas sendo usadas pelas estrelas dia após dia, na chegada aos ginásios.

E como a relação de influência entre marcas, atletas e público se mostra cada vez maior, é muito difícil imaginar que esse fenômeno acabe, muito pelo contrário. O céu parece ser o limite!

Por João Gabriel Batista

Compartilhar

Comentários

Seu endereço de email não será publicado

Posts Relacionados