Compartilhar

É difícil dizer onde se originou a atual obsessão do mundo da moda com o skateboard, alguns dizem que começou quando os skatistas profissionais Dylan Rieder, Alex Olson e Ben Nordberg trabalharam como modelos para grandes marcas de luxo como a Chanel, Gucci e Louis Vuitton conquistando os corações dos blogueiros de moda pelos skatistas suados em “roupas legais”. Outros dizem que essa obsessão começou com o lançamento do primeiro vídeo de skate da Supreme, “Cherry”, que expôs o mundo a uma equipe de adolescentes de Nova York e Los Angeles com um senso de estilo pessoal mais definido. 

A fixação do skate explodiu tanto que agora até as agências de modelos estão lançando seus próprios “vídeos de skate” com modelos inspirados em “skatistas”. Seja qual for o catalisador que possa ter sido para tudo isso, a moda está no skateboard agora e em seu estilo de vida que vai desde as camisetas Thrasher aos Vans rasgados mas a obsessão da indústria da moda com o skate não veio sem um alvoroço, alegações de violação de direitos autorais foram reveladas e a comunidade do skate foi rápida em fazer barulho sobre a apropriação de sua amada cultura.

Talvez nenhuma marca de skate tenha sido tão copiada e estampada no tecido convencional como a revista Thrasher, considerada pelos skatistas como a “Bíblia do Skate” desde sua fundação, em 1981. Seu ex-editor de longa data, o finado Jake Phelps, conhecido por suas atitudes e língua afiada, ganhou as manchetes quando Justin Bieber e Rihanna foram fotografados usando camisetas Thrasher. Na época, as celebridades pareciam provocar sua ira: “Nós não enviamos produtos para Justin Bieber ou Rihanna ou aqueles palhaços de merda”, disse ele.

 

Atualmente, o skate está mais democrático e popular diante de muitos aspectos mas jamais perderá sua essência que é o estilo de vida do skatista refletido através do seu comportamento underground, modo de vestir diferenciado, estilo musical e artístico. Esse estilo de vida que deveria ser encorajado pelas marcas de luxo e grandes empresas se comunicarem através do skate com o seu público pois a maneira como fazem hoje em dia é muitas vezes equivocada e nunca totalmente validada pelos skatistas ou mercado que está em constante crescimento, começando a entendê-los e respeitá-los.

 

Compartilhar

Comentários

2 Comentários

Seu endereço de email não será publicado

Posts Relacionados