Compartilhar

Recebi o convite de vir aqui no The Hype BR para escrever crônicas, onde em cada post eu possa trazer assuntos variados e falar sobre coisas que fazem sentido pra mim. Mesmo sendo bastante tímida, obviamente não deixei essa oportunidade passar. 

Aliás pra esse primeiro texto escolhi escrever exatamente sobre isso: escrever. Queria dividir com o público sobre essa apreensão pelo supostamente “correto” e aos julgamentos diversos, que com certeza importam, mas na maioria das vezes nos bloqueiam de falarmos sobre questões que fazem sentido pra gente e podendo até mesmo nos direcionar a pautar temas que às vezes são pouco ou quase nunca falados, mas que trazem consigo grande importância.

Acho que a questão de escrever pra mim sempre foi similar ao desabafo, mas também ao ressignificar dos meus pensamentos. Desde pequena eu tenho o hábito de escrever, mas escrever pra mim, em silêncio e sem compartilhar as coisas que escrevo, e o que eu normalmente faço é criar poemas de situações que vivi ou que fazem parte do meu cotidiano. Sinto que quando faço isso potencializa dentro de mim um sentimento de cuidado, de auto amor mesmo, onde posso rever e relembrar coisas que talvez passariam despercebidas mas que poderiam se tornar grandes dentro do meu subconsciente.

Talvez seja como uma terapia, uma segunda chance e um novo olhar aos acontecimentos do nosso dia dia, assim como percebo que de certa forma consigo colocar as coisas no lugar quando escrevo sobre o que estou sentindo, pautando as coisas e dando nomes aos pouquinhos para cada sentimento. 

O desafio de vir aqui compartilhar dessas coisas pra mim, não é fácil, mas isso me moveu a tentar, a trazer talvez um pouquinho de coragem também pra quem se mantém na zona de conforto e não busca se desafiar com as novas oportunidades do dia a dia.

Talvez o grande sentido esteja nas coisas que não nos víamos fazendo, ou que não achávamos que poderíamos fazer. Pra mim, escrever é algo que sempre fiz, em silêncio, e acho que de certa forma compartilhar isso já trouxe um impacto positivo sobre pensar que talvez isso possa fazer sentido pra outras pessoas, pois pra mim já faz toda a diferença. 

Escrever e viver talvez sejam parecidos, porque assim como a vida quando comecei esse texto não sabia exatamente pra onde ele iria me levar, mas confiei e comecei. Acho que viver é sobre isso: começar!

Compartilhar

Comentários

Seu endereço de email não será publicado

Posts Relacionados